Adolescente mata professora e deixa 5 feridos durante ataque em escola de SP

Atentado aconteceu em unidade da rede estadual localizada no bairro da Vila Sônia, na Zona Sul da capital paulista; autor foi apreendido pela polícia

Quatro professoras e dois alunos foram esfaqueados durante um ataque em uma escola na Vila Sônia, na Zona Sul da cidade de São Paulo. O ataque aconteceu na manhã desta segunda-feira, 27, na Escola Estadual Thomazia Montoro e deixou um morto. O agressor é um estudante de 13 anos que foi apreendido pela Polícia Militar (PM) após atacar os professores. Com ele, foram apreendidas uma faca, uma tesoura, um celular e uma carta de despedida. Nas redes sociais, o menor deixou uma mensagem antes de cometer o ataque, dizendo que esperou pelo momento por sua “vida inteira”. “Irá acontecer hoje. Esperei por esse momento minha vida inteira. Tomara que consigo alguma kill pelo menos, minha ansiedade começa a atacar por causa disso. Enfim… me desejem boa sorte”, escreveu o responsável pelo ataque. O Conselho Tutelar do Butantã está acompanhando o caso. O governador Tarcísio de Freitas também se manifestou sobre o caso, dizendo que o governo está concentrado em “socorrer os feridos e acolher os familiares”.

Em nota, o governo do Estado de São Paulo confirmou a apreensão do menor de idade e informou que os secretários de Educação, Renato Feder, e Segurança, Guilherme Derrite, estão no local para acompanhar o procedimento. Imagens das câmeras de segurança mostram o autor chegando na sala de aula e desferindo vários golpes contra uma professora. Os outros alunos tentam fugir, mas dois acabam sendo atacados. Um segundo vídeo mostra o autor esfaqueando uma das professoras, quando outra docente chega à sala de aula e o imobiliza. Uma segunda professora tira sua arma e sua balaclava. A atitude da professora que imobilizou o responsável pelo atentado foi classificada como “heroica” por Derrite. Além disso, o secretário disse que a secretaria está atuando para prestar apoio às vítimas, aos familiares e aos professores. “Nosso foco agora é dar total atendimento às vítimas, às professoras, às vítimas que passaram por isso. A partir daqui uma linha de investigação vai ser realizada pela Polícia Civil para entender quais motivos do garoto para cometer o atentado”, afirmou Derrite.

Material apreendido

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *